sexta-feira, julho 13, 2018

GRATA.

Como imaginar a palavra Ser?
é provável que não percebas porque falo assim, observando as linhas rectas do tempo como se nele encontrasse o infinito por dizer...sei que me olhas a partir de um lugar secreto que poderá residir na vigília, no sono ou no sonho...mas há sempre mais para acrescentar ao horizonte que somos....por isso na palavra sou riacho e tu a margem de um eco....escuta-me.....
Onde está o Amor? Onde está o Ser?
Quero falar-te no Ser porque preciso de esclarecer a Essência das actos que praticamos. Imagina-te a nascer no momento de cada acção.....há uma onda que se estende nesse instante tecendo as linhas de um corpo-teia, essência ou matéria do
que és.... revela-me a acção subtil da energia que está para além do ego e assim talvez possamos transcender a fantasia, as sombras e os enganos áridos, de todas as sílabas não pronunciadas....
quero mostrar-te o que há de mais puro e subtil na palavra Ser, uma forma de jejum interno onde crescem lentos movimentos de contentamento interior.... não creio na posse nem na proveniência dos adornos... esses frágeis e vagos instantes onde as saídas não se desenham, ...e as acções são metria banal de uma forma conjunta e estéril....o silêncio do que procuras pode tomar várias formas....Como imaginar a palavra sem Ser?
adianto-me já para a palavra Amor porque é nela que cabe o trigo a flor e o sonho da vida e do Ser. Sempre que puderes inventa uma outra palavra que poderá Ser a Estrela do teu Ser....

Gisela Ramos Rosa,
http://alinguagemdosrostos.blogspot.com/

quarta-feira, fevereiro 18, 2015

sábado, julho 20, 2013

Uma carta para mim.


Nada pode ser mais sincero 
Do que respeitar antes 
o seu próprio pensamento.

Que, não obriga, dispõe. 
Que não culpa, alerta. 
Que não define, possibilita. 
Que não responsabiliza, conscientiza. 

Aspectos e percepções inteligíveis. 

Contentando-me com o meu tamanho 
Sabendo exatamente o espaço 
que ocupo em mim.


Pouco antes de morrer me pus a escrever.  Faltava lá, ao menos uns vinte anos para isso acontecer. Ao menos alegrava o sentimento e consolava dizendo sobre a in ou 
à suficiência do tempo. 

Desde então algum tempo se passou, feliz por saber que resta-me ainda um bem vindo tempo, que seja sempre 
como esse momento.

Tempo em bom pensamento. 
Quanto menos lembranças tenho da infância mais próxima dela me sinto. 
Aqui é onde estamos, penso eu. Coisas que dizem serem cíclicas, outros divinos adeus. 

Quanto mais o tempo passa, menos pressa eu tenho, 
o que propicia a chance de atentar, percebendo o detalhe 
que diferencia á máxima desse período viver sem estar. 

As profundezas do raso que faz distanciar o simples do rebuscado. Pensar por dom do conhecimento, aquilo que alimenta a razão entre ou o sentimento que nos tira do chão, 
fazer da alma a poesia sentida e pensada, a palavra, a inspiração como sua real inspiração. 
Motivação ou desejo? Que seja antes do eu, nós. 
Beijos com a luz delicada  e/ou intensa de um lindo bom dia!! 
Escrevo como falo. Falo como penso e em ânimos ambos 
e sempre em indistintas dimensões remete a memória do que foi, na espera do que será. 

Antes só. 
Hoje!
Um sempre  que passa sempre. 

Um brinde ao eterno que sinto à esse tempo 
grato sempre 

Desenho funciona, mas pensar sobre é fundamental.
Exercício possível de ser ensinado e aprendido. 
Conseguir ser diferente do que se é realmente é um sacrifício 
que não sei ser capaz. 

Quero sair de casa compartilhar com as pessoas o melhor que tenho em mim. Quero dar a minha melhor palavra, o meu mais sincero sorriso.
Adoro dizer que gosto de gente. Que amo estar entre. 
Mas ultimamente essa sensação tem sido diferente. 
Mudou, o medo tomou conta completamente. 

A indisposição de estar entre o bom. O deboche apropriando-se do humor descaradamente. Mentir dizendo a verdade 
é falar o que aprendeu sem nunca ter sentido. 
O que entende. Amadores evoluídos. Profissionais primitivos. Contudo poderia ter uma outra impressão. 
Aquele que, se pode, se a condição lhe permite 
escolher, assina o próprio nome, em vez do que, ou o que, 
não define-se mesmo que ínfimo ou usa o que desconhece.

Hoje atentos evoluem. E mesmo assim cativando por ser 
igualmente diferente. Interpretação e direito em ser 
por ser pessoal. A mente do ser intelectual. A arte pelo tempo de pensar. Ás vezes penso...Mentira, na verdade penso e acredito que o conhecer foi o tempo vivido. 

O mistério em dizer. Eu conheço você. Houve o momento 
do tempo sentido, mas esse transformou-se, não é mais o mesmo de antes. 
Melhoras e apuramentos nas fases  de cada sentimento. 
Tem aqueles que são novos, outros que conhecemos 
de ouvido. 
No entanto tem outro que por menor que um instante, 
por seus olhos e sentidos foram percebidos. 
Que aqui mantem a memória de outrora que no contato 
do breve e intenso período.

O tempo passou. Como passou!
Lembro das  risadas, dos dias apaixonadas, 
tristes e cansados, e dos felizes principalmente 
pelos dias sentidos e sendo igual ao mesmo, repetido dia, 
dias igualmente diferentes que sempre e eternamente 
se repetem em busca de entender a perfeição de algo 
tão imperfeito, mas que seja simples em mente bom. 
Esse ser que, se franco, respeita o melhor de cada momento. 
Entre umas, outras opções. As possibilidades constantes. 
Fico feliz em saber. Que, independente  do tempo. 
Sentimento  das coisas boas. Que trás  respeito, 
amor e saudade. 
Fique a vontade..
Tentar explicar seria bobagem.  

quinta-feira, junho 27, 2013

Estalo.




 Em algum instante da noite dei-me conta da falta de respeito e educação que tive por você. 

Ainda bem que me dei conta disso nesse momento; Pois, pois sinto que há tempo de desculpar e justificar essa ausência sem explicação que convença além de muitas razões e a simples verdade. 

Essas que não são poucas mas que entre elas tem a mais importante. Saber o que não é novidade o prazer compulsivo que tenho por escrever. 

Sim, continuo cada vez mais envergonha, por não ter aprendido mesmo depois de tanto tentado. 
Teimosia que estrangula a sensatez e não me fez parar de vez. 

A consciência desse dessaber que me fez afastar  você que olha tão de perto, que voa em minha mente e estende-se em um expresso armazenado, trazendo consigo a vida e seus agregados.

terça-feira, fevereiro 19, 2013

Formigamento

Minhas costas doem, doem muito..talvez um mal jeito, não sei. Dores estranhas, dores novas eu sei.

quinta-feira, novembro 22, 2012

Desconsiderando modelos e fronteiras...




Sem determinar um universo e que posso falar de algo que estou adorando ler, CONSIDERAÇÕES, CRITICAS E OBSERVAÇÕES, deixo isso para os especialista que certamente tem competência para fazê-lo,..mas não me reprimo em dizer o que sinto..uma nova maneira de ler..coisas reais..realyts escritos rsrs muito bom rsrs..recordações até das expressões imaginadas quando algo foi dito, (escrito) é assim que sinto...com direito a making off e possíveis deleites de como foi feito..o processo sério em divertimento..sem ousar querer ser..apenas dizendo o que foi..a conclusão cabe a qualquer um..é só ter imaginação...desde as orelhas..o prefácio e as dedicatórias..assuntos sérios e bobagens em blogagens ..assim com a responsabilidade de saber o que é prá se entender...Fico querendo..uma vontade insana de dizer " olha estou aqui"..gente é muito importante pois sim..não preciso aparecer para todos.. mas sim para os que importam prá mim...claro que a vaidade é incontrolável, mas não maior que a vontade de dizer que isso é uma eterna lembrança de coisas que somos e pensamos..pensem vocês que vou reler..não vou..é prá dizer sem corrigir..sem perceber que o  bom é isso aqui tendo senso ou não..Um universo de uns e de todos também...imaginar mais do que querer conhecer e entender...perceber que o sentido das coisas como amigos e semelhanças estão acima da concordância rsrs...que seja para muitos que querem ver e outros que definitivamente precisam..rsr Tem mais..mas vou dizendo conforme sinto. 

segunda-feira, outubro 08, 2012

Parede de Lucia.

          Olho - Bernardo Cid (1925-1982)                

 Atravessar portas
num tempo curto
de visita formal
Sentir uma sensação especial.
Sentir a arte  impregnada no ar 
nas piscadelas que captam
a essência no relancear. 
A alma que reconhece na arte
o artista 
mais que um nome.
Vida inquieta
um caos gigante, uma paz incerta,um medo crente, uma voz constante.

quinta-feira, outubro 04, 2012

Por descrença...

A a vida não pode ser uma barganha constante, sempre o mesmo sentimento de troca.  
Fazer aquilo que acredita ser o correto, o certo naquele momento dentro do que entende o pensar
De fato gostar apenas que os fatos correspondam a esse pensamento.
Por merecimento não por recompensa.
Que a fé continue a ser semeada gerando um colheita de bons frutos.
Nas  promessas é que somos capazes de medir e dosar nosso querer e nossa necessidade.
Ansiedade que desequilibra a própria compreesão.
Interminável busca da dignidade. A esperança que não se pode perder. 

quarta-feira, outubro 03, 2012

terça-feira, outubro 02, 2012

a casa da lapa: "Fumar ao espelho"

a casa da lapa: "Fumar ao espelho":   " Aos cinquenta anos dei por mim a fumar ao espelho e a perguntar E agora, José. Fumar ao espelho, qualquer José sabe isso, é confron...

segunda-feira, outubro 01, 2012

Clima destemperado

Pensamentos nublados em dias de sol.

Realmente não entendo a vida ou ao menos conheço o mundo que vivo. Vejo pessoas sem a menor postura, sem o mínino de educação ou refinamento,completamente nutridas das mais absolutas ausências, mentes ocas e vazias que a percepção não consegue penetrar. Conheço muita gente assim...gente que não se considera simples, comum ou igual e no entanto são tão repugnantes. Celebridades de um instante. Gente que fala alto demais, que não ouvi o que se diz e nem cogita se corrigir e nem ri com sinceridade...isso é gente que não pensa , que não conhece e principalmente, que alimenta e ignora a falta que o berço faz. Desculpe..hoje...estou insuportavel amarga mas não menos sonhadora nem consciente.

Só não acho justo.


Talvez até entenda algumas coisas, mas admito que não me conformo com muitas. Tento a cada instante me convencer do que eu não sei, enquanto vejo gente que sabe bem menos fazendo bem mais. Onde foi que eu errei?É a pergunta constante que o tempo me faz. Palavras soltas, palavras ao vento...só mais um pensamento.

terça-feira, setembro 25, 2012

Bobagens do tempo...

É impressionante o que acontece com o clima por aqui...

não dá prá acreditar...
acho que o clima brasileiro é bipolar...
Estamos na primavera e o tempo está nublado, frio, com garoa e embaçado...
Numa hora é quente demais, não venta e faz verão no inverno..
noutra hora  é inverno na primavera... 

Pesos e medidas...


Quem cala.
concorda
consente
sem coragem
de dizer
o que sente.
Silêncio
suficiente
mediocridade
mente.

domingo, setembro 23, 2012

Onde tudo começou.

E foi exatamente assim.
Linda e radiante,
querida e falante.
Sentada na vida real
diante de mim. 

Um tempo andante...

Rebeldia

[DE QUE ADIANTA
UM MUNDO
LIMPO E
SUSTENTÁVEL,
SEM SAL, SEM PIMENTA,
SEM CANABIS,
E SEN ROCK'N ROLL]
Qual o sabor?

Qual o sabor?



Fiquei por um tempo dispersa
naquele
envolvimento total

Procurava
desesperada
o que meu espiríto
silencia

No quadro que estava
ao lado
um olhar
o que
meus olhos não viam

a palma da mão
a deslizar
a ponta dos dedos
sentir o pulsar
que o silêncio faz

O sentido que a alma tem
sinais que fazem
tão bem.


O peso da pedra
Na curva
o corpo
  ..
Quando ouço,
digo
sinto
escrevo
é muito

Diante do sensacional.
Viajar pelo mundo e no tempo sem sair do lugar
é quando o pensamento se uni a forma real.

A tela do lado

Parenteses: Colchetes e chaves ...


As vezes do PONTO

Dois Pontos

,
 
e


Parênteses:

 
 
Caráter rançoso

Bajulador, desconfiado,
ofensivo e rancoroso

Apetece a distância

Verdade embusteada
 
 
Intenção dissimulada
Palavra entalada
 
comportamental

Límpido pensamento
Sincero sentimento

Visceral

Essência do bem
bálsamo raro

consciência do mal
veneno mortal
 
Mel 
Fel
 
COLCHETES:
 
Disparidade
 
Paladino e palrador 
 ímpio nativo  plebeu
 
máscara num mundo real
Frasco e contéudo
Olhares que alcançam a alma
de ser esse ser mais que homem e mulher
 
 
Chaves:
 
Que
Ser
nobre
pelo
o que
tem

Ainda
e
tanto
o que
aprender

Coisas
feitas
sem saber

 
Cega
 confiança

Espelho
dúbio

Reflexo
e
refletido.


...
 

As vezes do PONTO:
.
 
 
 
Humano exato

Fim sem reticências

 
[{( )}]. :  ... sem vírgulas


Ordem de plano,
ângulo movimento e foco

Autorretrato

sexta-feira, setembro 21, 2012

Distinção


Existe assunto qué de mulher.
Existe assunto que é feminino.
Existe assunto que é de homem.
Existe assunto que é masculino .
Carta secreta .Cor do batom.Gravata predileta,
beijo,
abraço
Aperto de mão
Por ser  sempre dado 
explicado de maneira diferente,
acaba então
no reino da incompreensão
Pensamento não pode ficar escondido
Mas pode ser guardado
Mistério é permitido,
mentira não 
ter segredo
é delicioso
Mesmo que não seja seu
Endereço é o pensamento
remetente o sentimento.
Absorto pensamento 
inesquecível momento
que cabe em todo ser.
Franca delicadeza que senti
 paz.
Transição num tempo de calmaria
Assunto da alma

 ultima vez 
Boa-noite criança/menina .
 primeira vez
Boa noite Menina/Moça 
Abençoada geração
Transição que senti
razão.
.

quinta-feira, setembro 20, 2012

ESTRANHO



Dizem que quando o tempo passa há muito tempo
a pressa fica para trás.
Lembrança de testemunho que não se pratica mais
Individualismo que anuncia a necessidade de mostrar solidão
Auto piedade sem consternação.
Estar presente raramente
com a própria mente.
Disciplina que concentra a atenção
Aprender a importância de ter conhecimento do sim e do senão
tanto quanto diferente
é partilhar da opinião
apenas sobre o externo
e a razão.
Abstrata emoção
que impressiona a condição de conhecer esse ESTRANHO ser
sentimento que assemelha o desconhecido acontecimento vivido
O tempo morrendo por ser esquecido.
Olhar que transforma o momento do tempo seguinte
o segundo em instante eterno
A dimensão do sempre ser musa e inspiração.
Arte e contemplação.
Sustentável coragem de assumir esse cégo medo.
Verdades conhecidas de ESTRANHO mistério e irrevelável segredo.
Tesouro inestimável de um tempo real.
Percepção natural

quarta-feira, setembro 19, 2012

Costume...


imagem google
Assunto novo introduzido em situações habituais.
Isso na  infância era coisa natural, coisa de gente normal...ficar reunido ouvindo boas histórias, falando da vida e dos pensamentos e sentidos que ela tem. Criança participava, mas sempre sob o olhar atento dos pais...Ler em voz alta era um evento familiar, novenas, jantares, jogos, festividades e visistas para saber como se passa por lá ou por cá... comemorações felizes  para se fazer e por opção ter além das obrigações e dos funerais! As reuniões eram sempre bem-vindas, hoje esse tempo não existe mais. Ficou sem paciência, importante e arrogante existência....Deixou de ser  prazer e caiu no esquecimento.  Conforme o tempo passa a familia dispersa...deixamos de ser filhos e nos tornamos pais, os dias tem em cada minuto pressa demais...Passamos do livre para o comprometido o tempo todo, com nada, e quando damos contar estamos na  condição do senhor ou da senhora . Assim sem perceber. Hoje o tempo  tem apenas  o eu ou, o  você , o nós morreu  deixando de ser...

terça-feira, setembro 18, 2012

No canto da tela...

Perdoe a caipirisse, mas bendita é essa tecnologia que nos proporciona olhar nos olhos de quem escolhemos gostar. Sem cenários, nem grandes produções, aperta-se um botão e ali estamos ao vivo e em cores. Bendita essa tecnologia que tanto tem a nos ensinar com tudo aquilo que podemos escolher aprender. Cenas de filme de ficção.

segunda-feira, setembro 17, 2012

Feliz aniversário Jorge Pinheiro


Foto: L. Reis

Elemento de grande interesse e importância para ciência, concentração do efêmero, o tempo fugaz da existência. Reflexos da subjetividade humana, volume variável, fascinante aparência. Efeito puro da luz, atenção rara que o olhar conduz. Gases de tempo, significação do momento.
O sentido da felicidade!
 

sexta-feira, setembro 14, 2012

?

 
 
2012/9/13 Anônimo <noreply-comment@blogger.com>
Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Palavras para duas artes...":

I love the web, simply just a moment back I was searching for a brand new pair of shoes and now I am here. So much info at the touch of a hand, it truly is simply incredible.
2012/9/14 Selena Sartorelo <ssartorelo@gmail.com>
Thank you! On behalf of those artists that I like are certainly grateful to receive anonymous comments as well.
Não sei o idioma inglês, uei o tradutor do google. Apesar de não saber, achei gentil responder com o mesmo idioma que comentou.

hugs

quinta-feira, setembro 13, 2012

Poema"al" man do

 
 
Os pilares de  Hagia Sophia
Dia de dia nublado,
escuro, parado.
Comparado
aos dias próximos
do passado.
Sem sombras
ele não tem ,
nem vento,
nem brisa.
Cinza.
Momento
que o tempo
no tempo
parou.
Hoje o dia
é
de
saudade.
Gosto.
Sentido  e som.
Recordação
que
outro dia
pensou
A vida
ser.
mais que
um caso
do acaso
Ser ela
Romance
da alma.
Calma.

Poema
da alma.

 













 imagens google.

domingo, setembro 09, 2012

Palavras para duas artes...

Um cerebro embrião.
É essa sensação.
Myra Landau
 
Coisa viva que cresce infinita.
Vulcões em erupções.
 

Obrigada Myra Landau e Senhor do Vale.

quinta-feira, setembro 06, 2012

Bumerangue.



É o título que dei a lista de  parcerias que por aqui já fiz, lugares que inspiram e não deixo de ir. Está ali no ladinho embaixo da dança do tempo...Bom! Acontece que não consigo de tudo lembrar. Gostaria de trazer para cá postagens que participei, pois na verdade vacilei e não salvei, Não posso deixar de dizer que é a maneira que tenho de ter aqui todos os lugares que visito  e visitei, e por lá com a permissão de vocês, ousei e ouso escrever. Sem modéstia exagerada, sou meio descarada e escrevo sem parar em tudo que me faz pensar . Penso entender e acho que sei do que sou e do que não sou capaz. Nem sempre sabemos fazer aquilo que amamos. Mas repito que não desisto e nem sei se quero  aprender se não for desse jeito. Por isso agradeço muito vocês, pois todos, sempre tão bem entenderam isso e mais uma vez peço a permissão de trazer  o que no seu blog encontrar. Se não permitir, diga  que retiro imediatamente.
Começo agora pois foi nessa hora que atinei com as minha ideias. Então vou procurar na minha memória, na memória da máquinha, e na do coração. Na da alma e da razão. E na dos olhos da gente. Se quiserem participem,  se souberem, me digam onde está que vou buscar. Respeito quem não quiser, não precisa explicar. 

Vá se saber , uma hora que lembrar ou esbarrar em postagens  assim lembre-se do meu pedido, pode ser divertido .Agradeço demais se lembrar.




Inerte

Abusado é o do direito de devanear  sobre o cupido adormecido  que nunca foi, não quis ou não era para ser encontrado. O valor do desconhecido. A hipotese de nunca ter existido.Nas mãos do escultor  a obra deixa de ser ficção é retratada com a ousada arrogância que cabe na ignorância daquele artesão. Autêntica falsificação. Momento de sobrevivência. Copiar mesmo que tenha que criar uma cópia que só o próprio pensamento possui.
 
 O risco de uma peça imaginada. Esculpida, moldada. Foi nela cada talhada, a obra desafiada. A ideia do cupido desaparecido no romantismo de quem a história criou.  Anjos banhados aos óleos dos olhos que Lorenzo precisou. Diz-se ser essa a original ou mais uma retratação proposital. Desaparecida virou lenda  não esquecida. Na tentativa de tentar convencer, precisou envelhecer, judiar, enterrar para o suposto enganar  o que o impostor  queria salvar, coisa que só o tempo é capaz de provar. Testemunhar a antiguidade, disfarçar e seduzir retratando a idade no movimento, oinstante e o momento de outra mentalidade. Textura , peso e temperatura não condizem com as marcas deixadas,  cores e tons inventadas, desgastadas pela exposição de falsa atribuição. Aquilo que influência o pensamento . Inspiração exaustiva , a catarse do pensar que se apodera da razão transbordando soberbo talento e imensurável  reconhecimento para além de sua existência. Ir ao céu  para encontrar Áquario, ler o diário que Anne lister poemou e em símbolos seu gênero revelou. Lembrar da cubata que um dia foi morada e nas diferenças ser, sem saber, formada. Ter a sensação de ver o inédito, algo que nunca foi escrito, dito, esculpido, pintado ou fotografado sem pensar em certo ou errado, apenas quisto. O sabido foi dito ser a obra violada, o termo da criação imaginada.

terça-feira, setembro 04, 2012

Cubata de aguadeiro...

Nesse mundinho que vivo sonho com coisas possíveis que não acontecem jamais. Aqui como acolá mora o bom e o ruim. O que afirma-se em verdade não passa de mentira inventada, uma estória bem contada. os fatos cairam  no esquecimento. Misturou-se entre todos, foi sempre assim. Entre ser especial e ser diferente, não há o que mais apeteça o desprezo do que esse comum ser assim. É nata a aversão a rótulos, o título que não cabe a ninguém na igualdade de seu fim...aquilo que diz-se errado pode ser certo prá mim.A impressão popular que um povo tem do outro é muito equivocada no que concerne a realidade de cada um. Falo por mim, não por ninguém. Não é engraçado ver o desprezo virar piada, o defeito ser  apontado, não é fácil. Mais do que não supreender-se com a morte é matar a cada segundo o valor inestimavel que vida tem e nos concede naturalmente. A concepção do "não entendo desses assuntos" ou não sabia disso mais do que a minha própria vivência possa explanar até o momento dessa existência. Amanhã talvez seja diferente. Venho de outro lugar e sou de lugar nenhum. Preservo e cultuo o meu universo querendo sempre adentrar e somar com o teu, dando no egoísmo maior o direito de escolher querer ser mais do que ver o que sou. Não sou dito nem erudito, sou apenas mais um. Nas questões econômicas sei o que não tive e agradeço por tudo que foi possível. Na fé sou cristão, hoje sem uma específica religião. Meu pré concebimento condiz com meu conceito. Ter na medida a sinceridade dos fatos nas palavras ditas. Não sou especialista de coisa alguma, nem nobre em bens adquiridos por expedientes mal explicados, possuo sem questionar o berço da família que conserva a união independente da região. Sou estação de muitas paradas desembestadas. Nivelo meu pensamento pela franqueza do meu sentimento sem mais nada além do querer. Nada melhor do que saber e perceber as melhores características de sua decendência e de seus próprios gens. Ter ideias de possibilidades bem vindas por tantas estradas. Perdoe-me tanta falta de conexão, raciocinio sem elaboração, embasamento ou conclusão, mas o pensamento vem como um vento que deixa a lembrança como sensação. Um povo cansado da estagnação. O ser em evolução que permite-se dizer não com respeito e educação. Nem ouso um discurso moral..falo apenas do pessoal que em palavra e poesia brinca com essa magia do estranho poder que a palavra tem quando se faz entender. Falo de um mundo vivido em poucos metros quadrados mas com muitas portas, janelas e passagens...paisagens trazidas pelo infinito horizonte de um olhar. A subserviência que faz o lombo pesar não pode ser mais digna do que a humildade necessária para aprender que somos iguais em qualquer lugar. Somos uma especie comum, nem por isso diferente no que não é normal.

quarta-feira, agosto 29, 2012

Pois é!

Myra Landau
 
Pregação e duende...
Sem reler perdoe a ousadia em  dizer aquilo que pelo tempo não vivi. Penso nas escolhas como sendo o nosso sempre, um instante de eternidade presente. O agora da nossa memória, um momento captado pelo sentimento que não limita o horizonte. Distâncias incertas. Chegadas inevitáveis. Partidas inesperadas, nem sempre há despedida. O que não se preve. Preces que emanam desejos de ter e de ser o próprio sentimento, captura do pensamento. Sonhos não percebidos que embalam o ar. O vento, a lembrança, esquecimento da essencia de cada sentido que desequilibra o arrependimento transformando-o em ilusão. A satisfação que oscila em tempos diferentes. Humildade e gratidão sem perder a noção de intentos que desaprendemos precisar sentir. Presunção. Espécie que dribla a mediocre condição. Ser! Na juventude chamamos de intuição e na velhice o encontro com a razão, sabedoria pela maturidade que conduz a mente. Entre tantas opções não percebemos o primiero movimento. A chegada da nova estação, um silêncio constante e interno, tempestades de solidão.Sinais que podam pontuando a respiração.A consciência do poder da descoberta em saber que o sentimento é sempre a mais importante opção. Trilhos que contem destinos...sem "ou". Seguir, voltar entre amores e dores do livre arbitrio...enfim..

terça-feira, agosto 28, 2012

Coeso



Quem sou e o que sou não é medido pelo o que tenho, mas sim pelo o que faço para alcançar essa posse. Processo ímpar de resultado similar. Condição estabelecida por coisas que prefiro não pensar.Escolhas eternas que tornam a vida divina.
 

sábado, agosto 25, 2012

Momentos...

"Tenho em mim os maiores sonhos do mundo", mas acreditem. Sou extremamente feliz  pelo que é minha vida real.O que vai além de ver.
E nos sonhos sonhados me tornei feliz pelo que realizei! O depois virá a seguir e dirá de mim o que dos sonhos me tornei! (Luísa Vilaça)
 

sexta-feira, agosto 24, 2012

Fragmento...

@João Menéres

Fico impressionada com o que olhos veem...quando o olhar vai muito além. Arranca com unhas e dentes aquilo que não mente.O que impregna a vida da gente. A pedra é um tipo diferente de pele
Suas marcas são rígidas. Mesmo no mesmo elemento muda seu temperamento alterando no ritmo da esfera a temperatura que destempera o tempo. A impressão digital registrada por um olhar que pode tocar. Arestas engenhosas de repetição inalcançável. Uma pintura é certo.

domingo, agosto 19, 2012

Por causa dessa bendita idade...

Por causa dessa bendita idade...Acho que posso ser do jeito que penso que sou. Ahhh, e isso sabemos é coisa da idade...Penso tantas maneiras diferentes, riu sinceramente e acho que choro menos..sei lá..sei que sempre amei a idade que vivi..desde pequenina. Fácil não era a palavara mais comum em meu vocabulário, álias, para não dizer caralho, essa nunca esteve muito por aqui rsrsrs mas sempre e todos os momentos que vivi foram tão verdadeiros que o desprezo não teve muito espaço prá existir. Existe sim, confesso, mas procuro um deboche mais ácido quando a ficha que pagou os valores dessa mediocre sociedade manifesta-se com toda vontade ..Fui ensinada a respeitar a idade. O pai, a mãe, o padre, o médico e saber diferenciar um senhor de um doutor..Nunca me esqueço o dia que a dona Tonia pediu que eu não a chamasse de senhora...não consegui e expliquei a ela que aquela referência não era pela idade que tinha, mas sim pelo respeito que sentia pela pessoa que era. E acho que ela entendeu. Nunca contestei esse ensinamento...nunca achei ofensivo nem mal educado essa chamado....Mas sabe que essa é uma excelente oportunidade para falar do assunto..Sim..assim com gente bem humorada. Uma dádiva da também danada idade. Coisa que o jovem ainda não sabe o que é. Adoro dizer que amo a juventude, principalmente por ela ter me trazido até aqui.

quinta-feira, agosto 09, 2012

Em pauta...

Divido com você, por respeito, estima, consideração e a real preocupação do espaço que estamos almejando galgar, algumas reflexões e impressões que tive, e creio ser importante em algum momento parar para pensar sobre elas.

Quando o pensamento conspira com a razão nasce a intuição. O poder da observação sem julgamento,acompanhado de sentido ao sentimento tido. A parcimónia na emoção.

Devaneios... lunáticos e faraónicos, compartilho uma impressão, escrevo que, após a reunião,percebi a necessidade em ter muito cuidado com tudo o que é dito, principalmente quando o dito for no momento em que somos os ouvintes.
 
É sabido sobre as informações politicas e históricas do assunto pautado, mas nem por isso é inexistente o interesse em fazer parceria com o poder do contato, certo?
Sem meias palavras, quando não considera e nem respeitosso é, desmonstrando pouca credibilidade.
 
Opinião tida pela minha impressão, tanto quanto esse percebeu que o dito esta acompanhado das mentes certas. Pois bem. Em detrenimento á questões anteriores peço alguma atenção e que a avaliação do poder de influência, medidos pela importância dos contatos existentes, tanto quanto a necessidade das partes estabelecerem garantias que concerne o uso do nome.
Para que não tenha nenhum equivoco, se faz em simples palavras a tradução imediata.
Pensar pela cabeça de outra nação, de cultura desconhecida e ter em contra partida nada de concreto que os associe ...resumo e conclusão..." Pé no chão é algo indispensável nessa condição"

Fiquemos atentos aos nossos instintos e respeitemos nossos valores. Só assim nossa missão se realizará. A utopia é um alimento que deve ser ingerido de acordo com o limite de cada um e só aquele que acredita em valores reais é capaz de empreender tal fé.

terça-feira, maio 22, 2012

Como anda essa senhora?

Pensando muito. Como sempre essa senhora vai bem. Estou como sempre estive..sempre bem. Quando tiver tempo quem sabe consiga ler...assim vai saber. Mas adianto que o primeiro parágrafo é sucinto ,tendo  assim, tudo dito.
Ah como anda essa senhora? Ah!! Quanta coisa lhe preenche e lhe devora . A certeza que a duvida é constante e sempre tão presente. O resto seria prolixo e só conversa rsrsr e conversas muito melosas lhe causam aversão. Grosserias então lhe dão alergia. Senhora de muitos saltos.
Ahhhh!! Essa senhora não gosta de dizer do que não gosta, sem que lhe peçam opinião, mas adora dizer o que senti para quem a entende.
Gosta de boas risadas e de gente que sabe falar palavrão...Mas preferi as que apenas te faz pensar ter ouvido um.
Ah como anda essa senhora?!!! Achando  cada dia a vida mais linda e cuidando o suficiente de si.
Entende ao que, quer ficar atenta.
O poder da observação. Tempo pra reflexão.
Sem pensar, apenas meditar sobre um pouco de sua ação.

Aqui em casa temos algumas rotinas. Hora pra acordar, pra comer e pra deitar. Tem horário pra quase tudo, ao qual muitos são seguidos com muita regularidade.
Tem alguns que gosto de não esquecer..como é o caso da hora do jantar, é um dos motivos que o cotidiano não me enjoa.

Gosto de ouvir as vozes deles. Sinto-me bem quando estão por perto ou por chegar.
A hora de buscar. Fico a disposição se é necessário e quando preciso, eles tem sempre uma solução.

Contamos como foi nosso dia, um leque extenso do que falar...já aconteceu de ficarmos em silêncio, mas isso não acontece sempre.

Claro que os corrijo, chamo atenção e dou sermão. critico e sou criticada também, tanto quando elogiada.

Porém, também conversamos, rimos, choramos , lemos, assistimos e ouvimos. Falamos normalmente muito alto..mas também gritamos...discutimos, reatamos e de novo e graças a Deus sussurramos o quanto nos amamos.
O que pode parecer impossível aqui acho muito normal.
Por quanto tempo isso vai acontecer..eu de fato não saberia dizer, mas agradeço por isso todos os dias do meu viver.

Basta que aprendamos a ceder, sem cobrar as obrigações e valores nos quais acreditamos. Aqui dizemos o que sentimos. É no que acredito. E mais do que isso , nos interessamos em querer saber.

Sim...opa!!! É um exercício diário porém que nem sempre tem o melhor resultado..o que pode ser bom..assim nos aperfeiçoamos e valorizamos o caminho escolhido a percorrer..

Claro que não funciona todos os dias, somo imperfeitos e também enlouquecidamente normais...não gosto da rotina...mas amo o meu cotidiano...gentileza gera gera gentileza,. Clichezaço!! Eu sei. Mas que precisa começar a ser praticado dentro da nossa própria casa.

Nem sempre conseguimos ..pois ações dissimuladas são pensamentos sem sentimentos, não trazem credibilidade, por isso não se concretizam...mas acredite, acabamos na maioria das vezes dialogando e resolvendo as diferenças e por isso dormirmos bem.

Poderia ser um pouco mais seguro, estável eu gostaria, porém aprendemos a estar, um mais próximo do outro.
Toda união precisa ser desenvolvida, aprendida. Se fosse fácil não existira guerra nem desigualdade. Aqui conversamos, opinamos e nos certificamos que são esses meus semelhantes, falamos de tudo...

Eu. Não sei o que sou, mas gosto de como me vêem, Procuro no que gosto sempre melhorar. Aperfeiçoando as faculdades que sinto ter.
Aqui em casa temos horários pra ficarmos juntos, respeitamos também a privacidade que nos é permitida e a individualidade do outro.

Sempre nos importamos, por isso nos intrometemos pro melhor do seu bem, porém aprendemos que a confiança se esclarecida e bem orientada é chave da liberdade de dizer o próprio gostar.

Não sou muito organizada com a casa. Confesso: Canso-me fácil...mas faço um pouco todos os dias ou os dias que enlouqueço e faço tudo duma* vez só..o tal de tudo num só dia...o cansaço me deixa mal humorada, mas realizada também ao ver a casa organizada, nunca consigo terminar tudo.. mas faço o possível.
As crianças estão aprendendo a me ajudar, já cumprem suas tarefas quase que diariamente..me enrolam um pouco, mas sou persistente temos sempre bons resultados, falta agora se acostumarem que isso pode ser rotineiro também.

Fazer mais o que nos faça bem...o que nem de perto chega pés da alegria que sinto quando chega o horário do jantar. Cada um tem seu lugar a mesa, mesmo que nem todos concordem com isso..mudar não é proibido e inclusive já oi feito. mas gostamos do que nos acostumamos.

Aqui é quase uma democracia. Eles reclamam, mas gostam da rotina, são mimados eu diria. Conversamos entre broncas e sorrisos. Sempre um reunião por dia...acostumamos sempre em desligar a televisão, no lugar ouvimos as músicas que gostamos ou as clássica que nos acostumamos, quando o pedido vem da mamãe. Onde a democracia encontra sua maior adversária , a disciplina adversa... cada uma conduz um ânimo diferente.

Como é bom respeitar a opinião dos amigos, principalmente se esses são da tua família. A luz que ilumina o bom desejo é a certeza que existe cores e tons suficientes para não ser monocromático e sim transparente. Ah como anda essa senhora? Essa senhora vai bem.

segunda-feira, abril 23, 2012

Um e-mail que mandei...

 Ahhhh! Preciso te contar. 

Essa semana fui a um jantar muito especial. 
Com pessoas mais que adoráveis e não é puxação de saco não, pois sabe que eu não tenho muita paciência prá isso..o que acontece é que até agora ainda não consegui alinhar todas as palavras, menos ainda organizar ou equilibrar essa emoção que pode parecer bobagem, mas só que teve ou tem esse convívio é que pode dizer.

Enfim passei uma noite muito mais que agradável na companhia do Eduardo que superou todas as minhas expectativas, e olha que não eram baixas e nem poucas...Imaginava-o exatamente assim. Quero dizer..alguém que sempre vai surpreender. Um homem sem extremos, sem exageros. Alguém que inspira o melhor que temos para oferecer...muito a dizer, mas mais ainda a ouvir. 

Estava também a Li, uma pessoa com um brilho intenso, empolgante demais...esses que são nossos amigos de blog, deve lembrar rsrs..

A surpresa que eu sabia que estaria, claro, mas não conhecia..era um mistério, uma grande mulher chamada Paulinha,mas o que mais eu posso dizer além do que obrigada por conhecer a outra metade desse senhor. A metade inteira de ser rsrs..mas o que quero te contar é que foi com ela que falei sobre você e naquele instante e agora lembrei que falamos com muita saudades também. Beijos .


quinta-feira, abril 19, 2012

ARABESCO

João Menéres

Por mais abstrata que seja a tomada..Entro. Mergulho. Caio. Despenco. Flutuo. Sinto e penso. Afundo na noção exata que a realidade me dá. O nonsense que a razão tem. A noção precisada, pedida e inspirada que escondi a covardia. Olhar e não ver. Um néctar sem paladar. A arte mais completa de ser. O som que só no silêncio se ouvi. O som extrondoso do pensamento que vaga no tempo e dimensão de perceber o presente que tem. Ouvir a alma e o coração sem censurar nem enaltecer. O pudor do não dizer. Equívocos espirituais que atormentam o sentido de ser.Um movimento de fé. O que move e encerra tantos mistérios.Um periscópio expresso. Bendita intuição que enlouquece por não ter explicação. O respiro da emoção. Muito daquilo que sei. Apenas o que acredito ver.Um estendal que atravessa o universo real. Correção normal que não pontua.Viver além de sobre.De todo o alfabeto de A a Z escolheu bem as palavras o T.

segunda-feira, abril 16, 2012

Relendo:


VOU DE COLETIVO - ADORMECER AQUI E AMANHECER NOUTRO LUGAR

VERSÕES
Pieter Brueghel o Velho, c. 1563
Óleo sobre painel
114 × 155 cm
Museu Kunsthistorisches , Viena
A Torre de Babel, segundo a narrativa bíblica no Gênesis, foi uma torre construída por um povo com o objetivo que o cume chegasse ao céu, para que não fossem espalhados sobre toda a terra. Deus parou este projeto ao confundir a sua linguagem e espalhar o povo sobre toda a terra. Esta história é usada para explicar a existência de muitas línguas e raças diferentes. A localização da construção teria sido na planície entre o Rio Tigre e Eufrates, atual Iraque, uma região estrategicamente boa por ser muito fértil.


UMA:
Ele que faz parte daquele habitat.
Compondo, ele ocupa um espaço que lhe é concedido, faz parte da criação, é sentido do puro sentimento, e que dá equilíbrio prá chegada da razão.
Determina o tempo na compreensão
Estar entre o sonho e a ilusão
Sensação emoção
Encontrar esse pedaço o nada , o um entre o outro
O intervalo
Um buraco negro sem dimensão
O nascimento a morte
O momento do crepúsculo
Uma constate Babel
O durante
O significado do instante capturado pela pureza do sentido

Chega com a tão esperada maturidade
que trás com ela
certeza e duvida eterna , mais conhecida como lógica.
Perdoar a ousadia que percebe a essência e o significado da existência
Bendita arma que nos leva por dimensões, determinando uma coisa chamada memória interferindo no agora
A parte de um elemento dividido em fragmento
Partículas do sentido do todo de um pensamento
Um organismo perfeito uma seqüência perfeita de tons
Imbuído de um único sentimento que forma esse momento.
O olhar que materializa o abstrato da prudência
Não existe demência na criação que combina em todos os tempos a harmonia a
melodia e a composição numa constante evolução.
Estar entre o sim e não , dormir aqui e acordar em outro lugar
Falo de lados escolhas, sentimento razão,

Sentir a mudança em transformação
O caminho
Então
Falo de assunto que só eu não conhecia
E vulgarmente plagiei um pensamento,
chovi no molhado, sem novidades, sem surpresas nem entrelinhas
óbvio e maçante
falando de lados, de escolha, de sentimento e razão.
de sim e de não
sonho realidade
alma matéria abstrata

O instante da percepção
a própria evolução
http://possibilidades-selena.blogspot.com/


OUTRA:

Dormir aqui e acordar alii, acolá, quiçá no pensamento de quem mora no ontem, na estrada infinita e ilimitada dos versos; da alma impoluta que é coragem, paisagem de si mesmo.
E os tons dos meus sentidos, são azuis, fulvos, respingam nas almas, na busca irrestrita de ser.
Ser, viver, querer o mundo....
Olho o mundo dessa estrada, dormir na caminhada.
Olha a pedra, passarada.
Dormir aqui, alma impura, sem catenas, tulipas e jasmins.
Dormir, sentir, sonhar, fugir dos meus ontens, dos caminhos e, no toque desses sonhos, universo....
Dormir aqui e acordar ali....

http://apenastomaz.blogspot.com/

19 comentários:

Tomáz disse...
Beethoven, um gênio da música, suas sinfonias são um marco na composição.
Ele representa o apogeu da música clássica no século XVIII.
Era um misantropo, independente, orgulhoso,mas como todo ser a frente do seu tempo, um visionário.
Primitivamente Schiller havia escrito uma Ode à liberdade, mas com medo da censura mudou seu nome para Ode à Alegria.
“A Nona foi percebida por gerações subseqüentes como um modelo insuperável de cultura afirmativa, uma cultura que, por sua beleza e idealismo, acreditam alguns, anestesia a angústia e o terror da vida moderna, interpondo-se assim no caminho de uma percepção realista da sociedade. (…)se perdemos a nossa percepção dos domínios transcendentes de alegria lúdica, beleza e fraternidade que são retratados nas grandes obras afirmativas de nossa cultura, se perdemos o sonho da Nona Sinfonia, não resta um contrapeso para os terrores abissais da civilização, nada a opor a Auschwitz e Vietnã como paradigma das potencialidades da humanidade.” (SOLOMON, Maynard. Beethoven. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1987. p. 419)
Para mim Beethoven e Stravinsky são dois marcos na música clássica.
Com relação à nossa parceria, agradeço. Seu texto ficou muito bom. Nem sempre é preciso entender, basta sentir.
Beijos.
Thomaz
Selena Sartorelo disse...
Olá Thomáz,

Agradeço muito tua generosidade e companhia.

beijos,
Chica disse...
Lindo,Selena! Esse teu olhar azul, à beira do caminho, com tuas emoções e sentidos azuis também deram o toque...beijos,chica
Selena Sartorelo disse...
Olá Chica...Obrigada é uma honrada parceria que esse moço permitiu em sua sabedoria.

beijos,
Dan disse...
O instante da percepção
a própria evolução

Selena, obrigado pela visita e pelas palavras, peo licensa também para aqui sempre estar, lá no meu vá quando quiser, sua presença e comentário sempre são motivos de orgulho.

Belo blog.

Abraços,
Danilo
Dona Sra. Urtigão disse...
Ah! è bom voltar aqui e encontrar essas palavras deslizantes, tantos sentidos, sentidos.
Um abraço!
Anônimo disse...
Selena,

fico muito feliz por visitar seu blog e, mais ainda, por ver uma homenagem tão comovente à música, um dos maiores milagres desse nosso universo tão complicado, não é?
Parabéns, é tudo muito bonito aqui, textos, imagens, comentários, tudo.
Aproveito pra te agradecer pelo comentário no "Varal" do Eduardo, sempre tão generoso.
Que bom você gostar das minhas crônicas, tão antigas, coitadas! Elas foram escritas na década de noventa.
Durante dez anos, de janeiro de 89 a abril de 2000, escrevi, semanalmente, para um jornal de Belo Horizonte, ainda que morasse aqui em S.Paulo.
Pra você ter uma idéia, meu filho mais novo, que tinha nove anos na crônica "Não sei se sei" (a primeira de todas),vai fazer 29 na próxima semana...
Esse é um dos grandes mistéios da palavra escrita. O tempo não conta, ou não aparece, sei lá.
A gente se vai, as crinças ficam adultas, mas as pslavras seguem, fiéis.

Beijo agradecido da

Vivina.
Selena Sartorelo disse...
Olá Danilo

Quando cheguei em seu blog senti um cheiro bom, coisa de gente que gosta de gente sei lá, enfim fiquei e claro devo aparecer mais vezes do que possa imaginar, o que óbvio não consigo prever.
Obrigada pela consideração fico muito feliz apesar de nem tanto merecer toda essa atenção.

beijos e obrigada pela gentil e carinhosa visita.

Olá Minha querida amiga..Há quanto tempo, mas entendo tua escolha, corajosa e bela por sinal, sempre passo pelo teu blog para saber quando está por aqui, sentimos saudades, claro! Mas melhor do que estar aqui é estar bem também não é mesmo?
Beijos e fiquei muito feliz com a sua visita.
Quanto aos sentidos, socorrooooooooooooo!!!!!!!!!rsrsrs

beijos queridos e ternos.

Olá Vivina, claro que fiquei emocionada com sua visita, não esperava e quando agente respeita a coisa toma proporções estranhas e boas também...enfim deixa eu parar com essa rasgação de seda..é sincera não poderia não ser, mas falemos das tuas crônicas que ri muito enquanto as lia, parecia que as vivia e as via, cenas tão boas, situações tão reais, sem nada de complicado, simplesmente relatado com a clareza que é só tua.
Esses dias falava com uma amiga querida e ela me dizia que um dia uma amigo dela um dia perguntou qual o volume do teu pensamento o teu cérebro?... não lembro ao certo qual foi, como não soube responder um não saberia o outro também, mas quando leio assim me ponho a pensar nesse volume que pode ser tanto...Fico muito feliz com sua visita e estarei sempre te lendo apenas pelo melhor motivo que lemos.

beijos e muito obrigada, apareça quase sempre não se sei, mas a tentativa é dvertida demais, dolorida também admito, mas inevitável constato.

beijos imensos e bom final de semana, cumprimente seu filho por mim...esses meninos crescem rápido demais né?
Luísa disse...
Li em voz alta para a minha filha e para os meus sobrinhos!
Bela forma de os silencias da algazarra de fim de férias...

Quanto aos belos textos:

Cem palavras deixaram-me sem palavras!

Beijinho terno!
Selena Sartorelo disse...
Olá Luís, Sim é mesmo uma delícia ler as crônica da Vivina, amanhã farei o mesmo com meu filhos, acredito que um texto lido com o coração dá vida as palavras e eles sentem um pouquinho do prazer que temos com essas letrinhas que dizem tanto.

Agradeço muito tua visita sempre, tem uma energia que alegra a alma da gente com encanto e serenidade, mais uma vez obrigada.

beijos,
Quase Blog da Li disse...
Selena,
a "carona do Vou de Coletivo" dessa vez foi (como vc compreendeu e colocou perfeitamente)
das escolhas,
dualidades,
contradições.
Magnífico e muito bem escrito; vc soube chegar ao ponto com clareza e lucidez.
Não embarquei nessa "carona" (de propósito) pq além de tudo que vc sabiamente mencionou em seu post, o DESEJO e a decepção do "ADORMECER AQUI E AMANHECER NOUTRO LUGAR" me desperta com um velho conhecido gosto amargo da frustração.
Quem iria falar do
óbvio e maçante,
chover no molhado,
seria eu
não vc.
Obrigada por mais um excelente e emocionante texto.
(perdoe o meu plágio)
beijo
haideé disse...
Veo que en el tiempo de mi silencio has hecho cambios :) Me gustan.

No puedo entender todo lo que dices, palabra por palabra, pero si me ha llegado esa energía vital que irradias, ese amor que transmites. Alma, espíritu, esto es lo que nos comunica, y la música, la música entrelaza cada una de las vibraciones de nuestro ser hasta conseguir que no haya barreras, que no haya egos, que todo fluya en esta inmensidad que nos mece...

Muchas gracias por tus bellas palabras, que tan bien han captado la esencia de la imagen que he puesto, gracias de nuevo.

¡Un fuerte abrazo!
haideé disse...
Vejo que no momento do meu silêncio já mudou:) eu gosto.

Eu não consigo entender tudo que você diz, palavra por palavra, mas se eu comecei essa energia vital que se irradia, que o amor que você transmite. Alma, espírito, isto é o que nos liga, ea música, a música entrelaça cada um a vibração do nosso ser para garantir que nenhuma barreira, sem egos, todo o fluxo nessa imensidão que mexe conosco ...

Muito obrigado pelas suas palavras bonitas, bem como ter capturado a essência da imagem que eu tenho, obrigado novamente.

Um grande abraço!
Selena Sartorelo disse...
Olá Haideé,

Nada que eu aqui escreva poderá traduzir com tanta verdade o que você acabou de escrever. Não entendemos todas as palavras, mas entendemos aquela que é dita com alma, não tenho essa pretensão, acredite.
Apenas amo em toda a sua extensão e signifcado, mesmo que às vezes seja dura com a razão, o sentimento acalma o espírito tão novo desse ser que um dia hei de compreender.
As expressões e seus significados. Ou melhor dizendo ,os meus, não os obrigo a concordar comigo, são apenas os sentimentos que começo a perceber depois de tanto tempo.
Pensava há minutos atrás sobre a palavra "velho", e como são tantas as formas que a uso e a entendo... mas escreverei sobre isso uma outra hora, acabo perdendo a noção do tempo aqui.

beijos e obrigada, muito olbrigada.
Selena Sartorelo disse...
Hola Haidee,

Nada de lo que escribo aquí puede traducir tan cierto lo que acabo de escribir. No entendemos todas las palabras, pero creemos que se dice con el alma, no tienen esa intención, créame.
Sólo el amor en toda su longitud y la media de GN, aunque a veces es difícil a la razón, una sensación de calma el espíritu que es tan nuevo que un día me va a entender.
Los términos y sus significados. O más bien, mi, no me obligo a de acuerdo conmigo, los sentimientos están comenzando a darse cuenta de que después de tanto tiempo.
Pensé que hace unos minutos acerca de la palabra "viejo", y la manera como hay tantos que usar y de entender ... pero escribir sobre eso en otra ocasión, he perdido la noción del tiempo aquí.

besos y muchas gracias olbrigada.
Selena Sartorelo disse...
Olá Lí,

Apenas para brincar seriamente com a proposta desse coletivo...rsrsrs!!!
Acho que procuro o lugar comum para acordar, estar na vida que nos cabe nesse latifúndio e não posso deixar de tentar em lugares que acredito estar por conta do medo de voltar.Perdoe-me querida, não escrevi isso para você , foi para sim, para eu ouvir. Tuas palavras me levaram diante das portas que evito entrar, mas sei que são necessárias também.
Quase um divã (onde a paciente sou é claro!)socorrrrrrrrroooooo!!!!rsrsrs
Beijossssssssssssssssss
Maria Augusta disse...
Selena, quanta coisa boa por aqui! O que não é novidade aliás...a Nona Sinfonia de Beethoven é o ápice da musica para mim, arrepiante, Beethoven foi realmente um gênio.
E teus escritos então, onde você coloca toda tua alma...o caminho percorrido, que às vezes é deixado de lado pois estamos preocupados com o ponto de chegada...e no entanto cada passo é importante.
Parabéns pelo post e um grande beijo.
Selena Sartorelo disse...
Olá Maria Augusta,
No momento em que escrevo essa frase que está lendo o restante do comentário abaixo,foi quase totalmente escrito. E explico que após todos os comentários respondidos individualmente esse também se fez da mesma maneira, mas agora o relendo com mais tranqüilidade percebo que também é além da resposta individual que gosto de dar a quem me visita, esse, é um para todos também.

Que prazer tê-la aqui nesse momento onde energias tão sensíveis se encontram, absolutamente me incluo nesse grupo, sou apenas a pessoa que tem a honra de receber pessoas tão especiais. O cuidado com que as palavras foram ditas. A delicadeza de cada expressão que atingi, arrebata e faz um momento durar tanto tempo. Sentia que entenderiam da maneira que escrevi. Acho que quando escrevemos estamos abertos para muitas leituras, mas o escritor de alma as ousa deixando com amor a sua verdadeira essência. Gostaria de ter lido essas palavras e poder dizê-las que não são minhas, pois isso, quando citamos alguém, mesmo que nunca tenhamos ouvido falar nessa pessoa, temos uma sensação maior e de mais importância as palavras que estão escritas, enquanto numa conversa comum as palavras apenas são ditas. Perdoe-me por essa tão extensa divagação, mas fiquei emocionada ontem quando li seu post sobre o elementos da natureza que nos fornece o ar que para vivermos, a matéria prima que realiza sons tão perfeitos como esse e que podem ser executados para entendermos o valor do sentido de ouvir. Elemento que materializa a cor. E em sua passagem no tempo libera o oxigênio dando sentido a todo o restante . E apesar de tratar de um assunto tão diferente, esse apresentava o mesmo gosto trilhado. E representado nesse momento por Beethoven. O que com tanta propriedade o Thomáz escreveu, dando-nos mais conhecimento sobre, um pouco a mais, de esse reconhecimento que por sua verdade o imortalizou.
Preciso respirar mas foi esse um momento sem pausa, leia-o assim. Essa é uma brincadeira que desobedece todas as intenções que o ponto dá e quando o tiramos da frase... diz o tempo que percebemos, a respiração que nos dá tempo para pensar. Sempre penso se reler em outros tempos quais as leituras que farei. Então procuro sempre estar atenta em escrever ouvindo com a maior clareza os meus pensamentos, pois se paro para respirar ele dissolve-se no vazio da minha falta de atenção ou, com a preocupação de estar escrevendo o que sinto com a chegada desse sentido pensar. Talvez esse seja o testemunhar de um momento, a chegada de um novo pensamento que não obrigada a explicar pois sei que quando nos aproximamos das semelhanças isso é algo natural. Deixando-nos vulneráveis a todas as outras diferenças que nos ensina e situa dimensionando essa intensidade, estando consciente desse desafio que só almeja evoluir.

Só posso escrever muito obrigada por tantos presentes que ganhei. Aqui não sinto a subserviência em ação, vejo as melhores possibilidades que entendemos como sinceras.
Com a prudência que entendo precisar para usar a palavra seriedade digo com essa postura que hoje agradeço muito a todos por essa agradável tertúlia. Pois lendo os comentários que recebi percebo mais, o que é possível sermos. Uma teoria ou uma tese que se depara com a minha escassez de conhecimento para realmente expressar o que sinto nesse momento como se de fato vivenciasse esse entendimento com “eu tivesse adormecido em outro lugar durante muito tempo, e quando acordei estava aqui.

Beijos Maria Augusta e obrigada por comentar

Thomáz,
Chica,
Dan,
Dona Senhora Urtigão,
Maria Angela,
Vivina
Lí,
Luísa,
Haideé

Obrigada pelos bons momentos que guardarei de um tempo onde consegui ouvir e sentir tantas coisas boas.
Como fotos que revemos após muito tempo e sentimos saudade, as palavras tem também esse encanto.
angela disse...
Selena
Postei um comentário e agora vejo que não entrou...coisas da net.
Vou tentar reescreve-lo.
Entendi como um dialógo entre o primeiro e o segundo texto.
A nona de Beethoven é um classico e como tal se reiventa, se recria conforme muda de contexto e de momento, sendo sempre apreciada. É universal e atemporal e esses textos me deram a compreesão de que a musica (me perdoe a heresia) enganou Deus.
É a musica outra linguagem e é universal.
Um post inspirador esse seu.
beijos