quinta-feira, setembro 20, 2012

ESTRANHO

 
@João Menéres

Dizem que quando o tempo passa há muito tempo
a pressa fica para trás.
Lembrança de testemunho que não se pratica mais
Individualismo que anuncia a necessidade de mostrar solidão
Auto piedade sem consternação.
Estar presente raramente
com a própria mente.
Disciplina que concentra a atenção
Aprender a importância de ter conhecimento do sim e do senão
tanto quanto diferente
é partilhar da opinião
apenas sobre o externo
e a razão.
Abstrata emoção
que impressiona a condição de conhecer esse ESTRANHO ser
sentimento que assemelha o desconhecido acontecimento vivido
O tempo morrendo por ser esquecido.
Olhar que transforma o momento do tempo seguinte
o segundo em instante eterno
A dimensão do sempre ser musa e inspiração.
Arte e contemplação.
Sustentável coragem de assumir esse cégo medo.
Verdades conhecidas de ESTRANHO mistério e irrevelável segredo.
Tesouro inestimável de um tempo real.
Percepção natural
 

3 comentários:

João Menéres disse...

SELENA

Muito obrigado por teres postado no teu POSSIBILIDADES esta minha imagem !
Terá, assim, uma bem mais ampla divulgação.

E, MUITO HONRADO, por teres escrito o que a tua alma
te fez exprimir !

" A dimensão do sempre ser musa e inspiração.
Arte e contemplação. "

Um beijo com mil agradecimentos.

Selena Sartorelo disse...

Não sou digna disso não... Sou uma pessoa egoísta que escreve por ser essa sua maior paixão.
Não saio sabendo onde, ou o que vou escrever, mas sei que, nos lugares que chego, fortifico-me cada vez mais com o melhor alimento que alma e o pensamento necessitam. Grata sou eu.

Escrever para mim tem que ter sentido. Não precisa ser preciso.
O que inspira mais que a imaginação que inveta e cria.

Humildade exacerbada por ser estimada.
Que não menti uma razão quando o elemento desperta um sentimento que toca o coração.

Sem eloquente explicação.

Existem momentos em que a lucides é tanta que assusta por parecer insana/Sem zombaria, sinto como se a vida me apresentasse um Estranho muito por mim conhecido!

Já teve essa sensação?!

Envolta ao meu égo descubro que não sou nada além daquilo que sinto.
Que sei eu, do escrever, mais do que sei, sobre a pretensão de escrevinhar.

Importante o saber e conhecer de que cada coisa tem seu próprio tom.
Que existe questão com mais de uma alternativa como opção.

Há muito tempo creio eu, falei sobre ter, sentir ou perder a referência de ser.
Coisas que precisei ter para justificar o que era. Hoje não! Não sou escritora..ouso dizer que sou escrevinhadora.

Mas como isso é possivel? Se penso e por isso já foi dito, existo!

Tempo de valores invertidos. Coisas que deixamos aos olhos ser por não ter.
Em que momento tudo mudou? Deixando de ser o que sempre foi?!

Palavras que atribuem sentimentos á moda.
Sons aos sabores, sentimentos das cores
Movimentos de cheiros, aromas e fedores vistos.

Cabe a mim a gratidão
por dar tua permissão e pela participação.

Beijos João.

Fatyly disse...

A foto do João ganhou ainda mais vida com estas tuas palavras...correntes sentidas de emoção! Parabéns aos dois:)

Beijos