domingo, novembro 28, 2010

A minha trindade

Estavámos na sala após o jantar, a tv ainda desligada pois já era hora das crianças irem deitar. Claro que não dormiriam e foram jogar. Foram jogar baralho em cima da minha cama com a desculpa dessa ser maior. Meu marido cansado pelo dia de trabalho cochilava com a tv ligada. Levanto e coloco música, ele nem percebeu e continuou o cochilo, enquanto isso no quarto um cantarolar em duas vozes chama a minha atenção. Sento para continuar escrevendo, lendo na verdade, não consigo me concentrar em nenhuma dessas coisas. Saio e vou ficar com eles. Lembro de quando eram pequenos, lembrei de cada concepção e a primeira vez que ouvi cada coração, momento inesquecível, ouvir a tua respiração. Meu marido chegou e levei-os para dormir, como sempre fiz. Tivemos uma boa e proveitosa conversa. Um bom e grato dia foi o de hoje.

10 comentários:

myra disse...

voce é linda e escreve mto bem!"
muitos beijinhos

angela disse...

É tão bom filhos.

Selena Sartorelo disse...

Obrigada Myra. Gosto muito de tudo isso.

Beijos,

Sim. É!

Beijos Angela.

João Menéres disse...

Gostei muito do que escreveste, SELENA !

Um beijo grande.

Selena Sartorelo disse...

Obrigada João. Bom tê-lo por aqui.

outro prá ti.

expressodalinha disse...

Muito intimista. É bom estar bem. Beijos.

Selena Sartorelo disse...

Olá Jorge...

Como diz um amigo..."Estou bem mesmo quando nem tudo está bem" Acho que a importância que damos as coisas equilibra a nossa felicidade e infelicidade, pois uma não existe se a outra não existir.

beijos

Licínio Filho disse...

Oi Selena...
ao ler sua nova postagem reconheci este teu sentimento, pois atodo momento vivencio experiências muito parecidas com meu pequeno Pedro.
Como sempre, muito lindo.
Abração.

Selena Sartorelo disse...

Olá Licínio.
Quando nos permitimos viver.
Quando escrevemos o indescrítivel.
Obrigada.

Abraços,

Léo Brossa disse...

Adorei o texto Selena. Me lembra um breve conto que escrevi meses atrás. Se tivere tempo, leia em: http://umpoucodenada.com.br/2010/03/um-grande-amor/

Cheguei aqui por acaso mas pretendo voltar.

Até breve.