quinta-feira, março 10, 2011

Máquina de consumo

Experiências que repetidas e transformadas damos o nome de vivência .Parece sacanagem, mas às vezes penso que a vida é como o cheiro que depois que acostumamos com seus aromas e odores paramos de sentí-los. Diferente do som que procuramos ouvir para que nos lembre um sentimento, ou a lembrança da imagem que os sentidos formam, sentindo os sentindos dos pensamentos., uma expressão chamada arte. A plenitude tênue da vida.

5 comentários:

Ángel disse...

La vida hay que saborearla como si de un plato nuevo y delicioso se tratara, día a día, momento a momento.
Fuerte abrazo

Regina d'Ávila disse...

Precisamos sempre de algo que nos toque fundo, pois em nossa correria de vida, acostumamos rapidamente com tudo. Uma defesa, verdade, mas que acaba por nos tirar o prazer da descoberta, do novo, de algo que mexa com a alma.
A arte, você disse muito bem, abre várias portas fechadas ou apenas encostada. E é delicioso. É emoção.
Um delicioso fim de semana, amiga,
Super beijos,
Regina d´Ávila.

myra disse...

como gostei de que voce diz aqui!
um grande beijo, minha querida Selena

Selena Sartorelo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Selena Sartorelo disse...

Olá meus amigos,

Obrigada a todos, saibam o quanto respeito a opinião de vocês, sempre tão perto do que digo e sinto.
Beijos Àngel com tanta sabedoria.
Beijos Regina de sensibilidade e poesia.
Beijos Myra, mulher da palavra pintada, viva e tão respeitada.

Muito obrigada.