quarta-feira, abril 07, 2010

Resgate de instantes perdidos...

O tempo que o tempo me rouba. Quando a história começa esboçada com palavras grandiosas e significados ínfimos. Quando o absurdo é possível e um exagero fantástico anuncia o que não te cerca. Imitar o ato de representar . Passar sem perceber. Ser sem nunca ter tido um único pensamento do que poderia ser se pensasse o momento vivido e não o não existido.

10 comentários:

João Menéres disse...

Ai, SELENA

Que saudades tenho de ti lá no meu grifo...
Mas sei que andas muito atarefada (com quê, não sei, nem tenho que saber).
Não há nenhuma POSSIBILIDADE?

Um beijo ENNNNOOORRRRMMMMEEEEEEEEEEEE !

myra disse...

eu, igual que Joao, muitas saudades...
beijosssssssssssss

expressodalinha disse...

Passar sem perceber é muito grave. Talvez o único pecado mortal.

Lunna disse...

A distração nos faz refém de nós mesmos, é o que eu sempre digo pra mim mesma. A gente segue contando as muitas voltas dos ponteiros e se esquece de contar os próprios passos. Então a vida parece ser apenas um depertar e um insistente adormecer.
E no dia seguinte vem um novo personagem, uma nova história e um dia a gente nem sabe mais quem é.
Então alguém te olha nos olhos e pergunta "eu conheço você?" e o espantaso é perceber que a pergunta é feita por você diante do espelho.
Tarde de confusões climáticas, por hora faz sol e está frio, mas quando menos se espera: chove. Bacio

Luísa disse...

Tempo...
Esse tão velho e sempre renovado Tempo!
Somos dele escravos e dele nos tornamos senhores!
Resta-nos tempo para aprendermos a não o valorizar em demasia!
Beijinho terno, com tempo de apreciar tudo o que por cá se faz.

Selena Sartorelo disse...

Olá meu querido amigo João,

Quanta doçura nesse comentário que faz, que trás prá cá o desejo de mais estar lá.

Beijos e obrigada por TUDO.

Olá Myra,

Sou assim, meio esquisita minha amiga, mas sempe estou a ver tudo o que faz e cria com com palavras e telas tão lindas.

beijos,

Olá Jorge,
Quando achamos saber é que sentimos o quanto sabemos que ainda temos a aprender rsrsr!!! Se para cada tempo, tivermos tempo para ver.

beijos e conte-nos da viagem.

Olá Lunna,

Teorias possíveis as suas, erros (se existir algum) e acertos (se não somos um, não consigo ver mais nada que possa ser) rsrs sentidos talvez.

beijos

OLá Luísa,

O tempo de cada um. Uma caixinha de lembranças com ponteiros rsrs!!!!
Beijos

Sr do Vale disse...

Cara Selena, você deu um nó na minha cabeça.

abraços.

Selena Sartorelo disse...

Olá Sr. do Vale.

Rindo, acredite não era só essa a minha intenção rsrsr!!!

Beijos.
P.s. Tentei retorna r aligação mas o número nao respondia. beijos

expressodalinha disse...

Mais penoso seri representar o acto imitado. Existimos sim e somos assim! Pior seria não o percebermos.

Licínio Filho disse...

Oi Selena...
o tempo, devir e finitude, deve ser vivido sem arrependimentos.
Como versou Fernando Pessoa... ele passou, passa e passará...
Um forte e fraterno abraço.