quarta-feira, dezembro 02, 2009

TEXTO EM OUTROS ÂNIMOS E NADA PESSOAL!

Começando por não fazer comentários extensos e prolixos
prá não falar esdrúxulos nos aplicativos alheios.
Não confundindo assim liberdade com invasão.
Mas respeitando a arte que comenta sem atribuir-lhe nada além
do que o seu entendimento e compreensão do sentimento.

Manter-se na zona de conforto é sempre a melhor opção,
exemplo:
- lindo!
- Parabéns!
- Adorei!
Com outras poucas variáveis um pouco menos vazias, mas óbvias pela falta de originalidade e sinceridade, procurando uma atenção pelo o quê?
Inventar, impressionar sugerir o que não conhece, mas sente!
Repetir, insistir num novo que há muito procura o crú, o simples e o normal.
Sem personagens, mesmo sendo sempre uma.
Confortavelmente ainda, não lhe obrigando a pensar para responder e principalmente a descoberta que não sabe escrever nem o que sente, sabe e entende ser, mas imagina-se. O famoso "não sei explicar".
Então recorre-se com o típico e costumeiro “Copie e cole” sem a menor preocupação de não estar entendendo bulhufas ou patavina do que aquelas palavras significam, mas alguém já disse, e se decoro o nome de quem foi..sou culta, entender, é só um detalhe.
Qual era mesmo a pergunta!!!!!!!!!!rsrsr

12 comentários:

Lunna disse...

Sim, quando faltam-me palavras, eu fico em silêncio no meu canto e não vou atrás do que disseram no mundo alheio. É claro que eu trago em mim os dizeres de Pessoa, Mário e tantos outros pq são formas de aprendizados. Algo dito por eles ficou em mim e seguirá em mim até o fim, não há meios, mas eu preciso de mais, preciso do que vai em meu avesso, em minhas laterais. Preciso das minhas confusões pessoais, dos meus erros, enganos e posso te assegurar que nenhum ctrl + c vai me dar isso.
Beijos

Ps. O final de tarde ontem foi deveas agradável. Grata...

Chica disse...

Muitas vezes falar menos é muito mais...beijos e tudo de bom,chica

Selena Sartorelo disse...

Olá Lunna,

Concordo muito e que as repetições sejam sempre originais por serem sentidas e não apenas copiadas sem significação.

Ah!! A tarde de ontem foi de fato muito boa!!!!!!!

beijos e obrigada

Olá Chica, Senti tua falta.
Eu sou a primeira que faço enormes comentários e ok..não obrigo nem que leiam e nem que respondam....apenas respeito e peço que quando não gostarem que avisem, simples assim.
Mas de verdade li uma frase no Estadão, acho que é do Silviano Santiago...perdão mas não tenho certeza..mas acho que traduz um pouco isso.
"...É muito do mesmo..."

Acho que precimos de muito, mas de novo também.

beijos, e tudo de bom prá você também.

Selena Sartorelo disse...

Olá Lunna,

Concordo muito e que as repetições sejam sempre originais por serem sentidas e não apenas copiadas sem significação.

Ah!! A tarde de ontem foi de fato muito boa!!!!!!!

beijos e obrigada

Olá Chica, Senti tua falta.
Eu sou a primeira que faço enormes comentários e ok..não obrigo nem que leiam e nem que respondam....apenas respeito e peço que quando não gostarem que avisem, simples assim.
Mas de verdade li uma frase no Estadão, acho que é do Silviano Santiago...perdão mas não tenho certeza..mas acho que traduz um pouco isso.
"...É muito do mesmo..."

Acho que precimos de muito, mas de novo também.

beijos, e tudo de bom prá você também.

Cristiana Fonseca disse...

Olá Selena,
Eu tb me pergunto muitas vezes, em vários momentos, não só referente ao meio virtual, mas no dia a dia, ou até mesmo quanto escuto da janela do meu quarto uma conversa no corredor, sei la. Será que paramos , refletimos,ou, quando lemos uma frase, até que ponto nos toca, ou até mesmo uma imagem.
E também é comum a palavra complexo como resposta.
Mas o que eu sei mesmo Selena, é que ler vc é fantástico, ou modifico a maneira de olhar , ou paro não encontro resposta saio de fininho srsrrs, e tal questão me persegue volto , releio e me desperto diante de tuas palavras perfeitas. Pra mim vc é uma excelente escritora.
Beijos,
Cris

Selena Sartorelo disse...

Olá Cris,

Sorrindo com muita ternura, pois ser elogiada por você além de muito me honrar me emociona de verdade. Obrigada por tudo.

beijos

myra disse...

qe posso fazer si me falta mais vocabulario :)))) ao elogiar algo que gosto!!!
beijos, mas sabe voce tem razao:)

angela disse...

Você escreve bem e tem cultura a gente percebe pela qualidade de sua escrita, e isso é minoria. Num pais que tem tantos problemas as pessoas se disporem a escrever e citar, mesmo que retirado do google é animador, desejarem ter cultura, serem inteligentes, acho perfeito.
Treino minha tolerancia diariamente, tenho, claro, minhas dificuldades de aceitação, não gosto de ladrão, nem de corrupto, assassinos quero distancia, acho que estes são meus limites.
Essas outras vaidades são coisas do percurso individual e as aceito com prazer. Gentileza é algo que aprecio.
Acabei me alongando, desculpe.
beijos

Selena Sartorelo disse...

Olá Myra,

Tuas palavras são sempre bem vindas e entendidas, independente do vocábulo que use.

beijos e obrigada,

Selena Sartorelo disse...

Olá Angela,

Obrigada! Você é muito gentil, mas as coisas são um pouco diferente dessa cultura que diz que possuo. Certamente que tenho muito cuidado com cada palavra que uso, pois sei que cada uma carrega em si o significado dado no encontro do equilíbrio testado pela lógica pensada, entre o exato e o humano. E entre os meus sentimentos e os que falam a minha imaginação eu tenho mesclar esse exercício. Sempre pedindo licença pela arrogância em escrever às vezes para coisas que nunca tinha visto ou lido antes. Tenho grande dificuldade em escrever meus pensamentos, justamente pela ignorância do que imagino querer um dia saber para escrever. Eu agradeço muito o conceito que faz de mim, sei algumas coisas talvez, afinal temos essas capacitações mentais por isso nos chamamos racionais. Mas eu apenas escrevo, e estou agora aprendendo a ler. Diferente de muitos, eu não escrevi meu primeiro poema aos nove anos e nem meus temas principais vão nas extremidades dos sentimentos e criações, a eterna busca do novo. Escrevo como uma pessoa comum que fala apenas do sentimento e da vivência que tem com suas compreensões.
Venho ensaiando com o passar dos anos a tentativa de acreditar que posso fazer aquilo que amo, mas ainda não acredito.
Minha intolerância é bem maior que a sua que almeja aceitar a imperfeição, com humildade e bondade, a minha intolerância ousa transformar o pensamento em algo que ele já foi, e que hoje foi esquecido.
Virou um texto claro, e claro que eu sentia que era isso que eu queria desde a primeira vez que li esse comentário, só não sabia nem como e nem quando. Não é presunçoso é sentido e doloroso. Querer tanto, mas saber tão pouco.
Meu limite
é a sinceridade de ser e de não ser sempre.
Meu limite
é a seriedade entendida com respeito e amor.
Meu limite
é o olhar do outro tentando como eu
entender
o seu limite.
Beijos querida e perdoe-me por essa extensa resposta, mas como já me conheces não está condicionada a lê-la, menos ainda a respondê-la.
Agradeço teu comentário, pois graças a ele eu escrevi mais um tantinho rsrrs!!!

angela disse...

Selena
Admiro essa sua vontade e esse cuidado no usar a palavra. Esta indo em busca de seu desejo e eu respeito muito isso. Quando digo que é culta, sei que tenho um bom discernimento, você esta acima da maioria, pode estar abaixo de seu ideal, mas está acima da maioria e é importante aceitar isso sem modéstia. É preciso ter conhecimento para se ter ideia do tamanho da propria ignorancia, só não pode diminuir o que sabe.
O cuidado que tem em seu texto é evidente e isto vai deixa-lo cada dia melhor.
Ichi...vamos acabar escrevendo um livro...rsrs
beijos

Selena Sartorelo disse...

Obrigada Angela. Não sou modésta não, sou realista rsrsr!! Um livro adoraria..quem sabe não vira filme rsrsr!!!!!!!!

beijos