segunda-feira, fevereiro 23, 2009

ESQUECIMENTO


Quantas vezes enxerguei
os diferentes tons
que a noite tem
São muitas luzes
uma cor apenas.

Os sons do dia
são os mesmos
porém seu ouvir
traz sempre
um novo sentir.

O movimento das águas
é todo o existir.
E ela é capaz
de num outro
sentido acreditar.

O ver e o ouvir
dá sabor ao viver
E um único momento
revela-o ser.
O esquecido nada mais é
do que a morte
de um sentimento.
Que encontra no novo,
o eterno renascimento
de todos os sentidos
de um único pensamento.

São recados subentendidos
de uma outra dimensão
Que um olhar não é o mesmo,
que o ato de observar
O vigiar tem intenção,
enquanto os aspectos
só cabem a razão

A palavra nada traz
se o fazer sentir
não for capaz
A palavra traz o cheiro
A imagem a ilusão
O pensamento toca o corpo
que desperta a emoção
O som é energia
é pura sensação.
Quando ao olhar
prá uma tela,
uma história me faz lembrar
O que era o esquecido,
acaba de ressuscitar

Entre muito sentimentos,
o de imaginar,
o ouvir ,os sons do existir
Entre tantos esquecidos,
o sentimento de união
De um tempo
sem geração

2 comentários:

tossan disse...

Adorei o poema! Bom feiado. Bj

Dona Sra. Urtigão disse...

Nada a dizer, apenas sentir