segunda-feira, dezembro 15, 2008

INTERIOR

É covarde o sentimento.
Que cega .
E, a palavra renega.
É ousado o escrever
Mas triste e enfadonho
Por apenas uma cor ter
No sempre e constante fazer.
Que atraí tuas palavras,
Não duvido!
À lembrança do ato desesperado
É o óbvio e ser esperado
O suprir
Um vazio encontrado
Não falo da cor de fora
Essa é bela
Em qualquer momento.
Falo da cor que tenho e
pinto meus pensamentos.

7 comentários:

Salve Jorge disse...

Cor
Do interior
Há de carregar o frescor
De brisa
Mesmo se a dor
Te matiza
Não te martiriza
Já que até o chão que você pisa
Agradece tal favor
Do sabor
Dos teus passos...

P.s - Adorei tua história, minha cara.. e como coincidências não existem.. risos.. tô doido pra conhecer esse bar agora.. grande Beijo e boas energias...

Sr do Vale disse...

Bar? acho que nosso amigo Jorge viu um bar onde não existe, mas bebeu.
Selena, parece até que fui eu quem escreveu este poema.

Selena Sartorelo disse...

Querido Sr. do Vale,

Achei muito engraçada essa história do bar então a escrevi para o Salve Jorge..ele fez um comentário na verdade sobre dois textos ...VOu pedir permissão á ele para postar o conto.
E fico muito, muito feliz em ouvir/ler um artista como você dizer que poderia ter escrito esse texto.
Agradeço muito ao sr. meu querido amigo do Vale.
............................
E obrigada por tão encantado comentário. Save Jorge!!!!!!!!!

Sr do Vale disse...

Selena, eu já havia visto a resposta, e fiquei curioso em conhecer o texto.

abraços.

O Profeta disse...

Sabia apenas que era um pequenino naquela longa noite
No celeste um luminoso sorriso me chamava
Lançou-me aos olhos raios de deslumbrante luz
Era a minha prenda, uma brilhante…Estrela Alva…

Um Mágico Natal para ti querida amiga que ao longo deste ano me visitaste. Que a Estrela Alva te ilumine neste Natal.



Mágico beijo

Cristiana Fonseca disse...

Olá querida Selena,
belo poema,engrandece-nos tuas palavras.
Abraços,
Cris

Nocturno disse...

É com essa cor que pintas as palavras, simples e bela.

Feliz Natal
beijo nocturno